Opositores de Paulo Câmara segue sem apresentar proposta para mudar Pernambuco

,
 Do Blog de Edmar Lyra
Nas eleições de 2006, Eduardo Campos cresceu nas pesquisas por ser ministro de Lula, por ser neto de Miguel Arraes, por se comunicar muito bem, etc. porém ganhou corpo porque apresentou propostas que ganharam o gosto da população, como baixar a conta de luz, baixar a passagem e construir três hospitais. Aquelas propostas fizeram a população começar a prestar atenção nele como alternativa e acabou se materializando numa expressiva vitória.
Em 2012, Geraldo Julio se apresentou como candidato a prefeito com a benção de Eduardo, mas além da monstruosa estrutura em torno dele, ganhou força a construção das Upinhas 24 horas, a construção do Hospital da Mulher, dentre outras propostas, a população que estava insatisfeita com João da Costa viu em Geraldo Julio uma alternativa melhor do que o que se tinha naquele momento.
Na própria disputa de 2012, Daniel Coelho cresceu nas pesquisas e polarizou com Geraldo Julio, porém na hora do pega pra capar o eleitor percebeu que só discurso bonito e vazio não resolvia os problemas da cidade, e acabou optando por um projeto que tinha começo, meio e fim, representado por Geraldo Julio.
Com o processo pré-eleitoral já deflagrado, a oposição, que tem três nomes declarados, vide Armando Monteiro, Fernando Bezerra Coelho e Marília Arraes, só sabe atacar o governador Paulo Câmara, ora criticando a violência, ora a falta de liderança do governador, etc. Porém, até o presente momento ninguém ouviu Fernando dizer como vai baixar os homicídios, Marília dizer como ela liderará o estado tendo passado por uma secretaria no Recife que não deixou saudades, e Armando Monteiro que foi por mais de um ano ministro, mas não dá para elencar nenhuma ação dele na pasta em prol do estado.
Se lançar como candidato a governador fazendo a crítica pela crítica é sinônimo de fracasso. É evidente a fragilidade do governador Paulo Câmara, mas o eleitor precisa de um porto seguro para substituí-lo por outro nome e consequentemente o postulante apresentar um projeto alternativo consistente. A prova foi clara, tanto em Petrolina no ato de Armando e FBC, quanto no ato de Marília em Serra Talhada, não se ouviu uma única proposta, mas sim uma saraivada de críticas ao governo Paulo e nada de concreto foi apresentado.
A oposição precisa apresentar propostas para a infraestrutura, a geração de empregos, o desenvolvimento do interior, o abastecimento d’Água, a saúde e sobretudo para a segurança pública, que é o principal gargalo do governo. Sem propostas efetivas, sem projeto consistente, ninguém chega a lugar nenhum, nem Armando, nem Marília nem FBC.

0 comentários:

Postar um comentário