Voto metropolitano será mais difícil em 2018

,
Com uma crise política que insiste em continuar assolando o Brasil iniciada em 2013, mas que se agravou desde o impeachment de Dilma Rousseff, o Brasil irá para as eleições com um sentimento de descrença total com a classe política, em Pernambuco não é diferente, pois há um claro sinal de esgotamento da população, sobretudo na região metropolitana onde o eleitor está se inclinando a não votar nos políticos em geral.
Nas eleições de 2014 houve 30% de abstenção, brancos e nulos para o cargo de deputado federal, porém há um movimento cada vez mais crescente de o eleitorado da região metropolitana em não votar em ninguém, o que implicaria em prejuízo para nomes metropolitanos como Felipe Carreras, Daniel Coelho, Jarbas Vasconcelos, Betinho Gomes, Danilo Cabral, Tadeu Alencar e Mendonça Filho, que figuraram entre os mais votados das cidades da RMR.
Há uma diferença muito clara entre o eleitor metropolitano e o interiorano, uma vez que o voto do segundo grupo geralmente é dividido maciçamente entre os candidatos do prefeito e os que forem apoiados pela oposição. Geralmente a cidade se divide ao meio e cada candidato acaba levando uma fatia significativa do eleitorado. Por isso, mesmo com a crise de representatividade é pouco provável que deputados com votos no interior sejam totalmente prejudicados.
Para se ter uma ideia a votação de Felipe Carreras no Recife correspondeu a 53% da sua eleição, não verdade ele já saiu do Recife eleito deputado federal. Jarbas Vasconcelos atingiu 33% da sua votação no Recife, portanto não teria tanto prejuízo quanto Felipe, mas mesmo assim tende a ser prejudicado pela crise representativa na capital pernambucana. Daniel Coelho teve 45% da sua votação na capital, mas observando cidades como Paulista e Jaboatão dos Guararapes, o contingente da votação de Daniel chega a 67% do total apenas nestas três cidades.
Betinho Gomes por sua vez não fica muito atrás, dos 97 mil votos obtidos quase 70% ficaram no Recife, Cabo de Santo Agostinho e Jaboatão dos Guararapes. O mesmo raciocínio serve para Danilo, Tadeu e Mendonça que dependeram fortemente do voto metropolitano para chegar ao mandato em Brasília.
Apesar de o maior eleitorado ficar na RMR, é possível que os deputados do interior acabem tendo prevalência em relação aos metropolitanos, uma vez que a eleição suplementar do Amazonas sinalizou que haverá grande abstenção em 2018, um número recorde que acabará acarretando num grande prejuízo aos deputados, pois o eleitor metropolitano tem um senso crítico mais aguçado e maior acesso a informação da atuação dos parlamentares, podendo anular o seu voto ou sequer comparecer ao local de votação. Quem não recorrer ao tradicional apoio do interior correrá sério risco de sofrer uma grande diminuição em seus votos. Da coluna de Edmar Lyra

0 comentários:

Postar um comentário