Fernando Bezerra Coelho e Armando Monteiro passaram a disputar o protagonismo do projeto eleitoral oposicionista

,
Armando Monteiro e Fernando Bezerra Coelho
Idealizado com o objetivo de oferecer uma robusta candidatura ao governo do estado, no ano que vem, o novo bloco de oposição já apresenta sinais de que não será fácil superar o conflito de interesses. Antes mesmo do encontro entre os membros do bloco, previsto para o dia 8 de dezembro, os senadores Fernando Bezerra Coelho (PMDB) e Armando Monteiro Neto (PTB) já disputam o protagonismo do projeto. A ausência de unidade interna, desta forma, abre espaço para a discussão sobre a viabilidade de múltiplas candidaturas.

Depois de Bezerra Coelho garantir que será candidato a governador e que irá “derrotar esse governo (Paulo Câmara) por muitos votos”, foi a vez do petebista aumentar o tom. Neste domingo, ao lado de mais de 200 lideranças, Armando afirmou que quer “ajudar a construir um projeto vitorioso em Pernambuco”.


Nesta segunda (27), FBC voltou a defender sua postulação. “Sou pré-candidato e estou animado”, frisou. No entanto, admitiu que o grupo pode lançar outros nomes. “Poderemos até ter mais de uma candidatura, mas o principal é que possamos dialogar sobre o futuro”, destacou. O bloco oposicionista ainda conta o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), e o deputado federal Bruno Araújo (PSDB).

Questionado sobre a possibilidade de implosão do bloco, o ex-prefeito de Jaboatão e pré-candidato a governador pelo PSDB , Elias Gomes, defendeu o lançamento de múltiplas candidaturas. Para o tucano, existe uma “grande diferença de pensamento” entre os oposicionistas e, por isso, os partidos precisam, inicialmente, “se apresentar”.

“Na disputa democrática, as eleições são organizadas em dois turnos. No primeiro os candidatos colocam suas propostas e oferecem mais alternativas para a sociedade. No segundo, as duas propostas preferidas vão para o desafio final. Quebrar essa etapa é atropelar o próprio conceito do processo plural e democrático da disputa”, colocou.

Folha PE

0 comentários:

Postar um comentário