A belmontense bi-campeã paraolímpica, Suely Guimarães, encara o desafio de dirigir para vencer a dificuldade de locomoção. veja!!!

,

Suely Guimarães se lembra: aos sete anos, brincava em uma das calçadas de São José do Belmonte (PE) com as crianças da vizinhança, quando um carro desgovernado atravessou a rua. Ela perdeu uma amiga e uma das pernas. Vítima de erro médico, Suely ainda teve que acatar à amputação do segundo membro inferior, que indevidamente engessado, gangrenou. "Com 17 anos cheguei ao Recife e descobri o paratletismo. Logo depois, resolvi aprender a dirigir. Quanto mais difícil, mais eu vou atrás", coloca Suely.

E vai mesmo. De lá para cá, Suely conquistou quatro medalhas paralímpicas no lançamento de disco, o recorde mundial da prova e a carteira de motorista. "Só precisei de oito aulas para fazer o teste do Detran e conseguir minha CNH", comenta. Contra a resistência da mãe, a campeã contou com uma ajuda de peso para dirigir o primeiro automóvel. "Frei Damião, que era amigo da família, dizia a minha mãe: 'deixe, que ela é traquina, mas independente’"', lembra.

De vilão a mocinho, o carro pode até ter tirado as pernas de Suely, mas devolveu-lhe a capacidade de se locomover. "A cadeira de rodas é meu corpo e o carro minhas pernas. O que passei me ensinou a respeitar e a ter paciência com outros no trânsito", conclui. Considerada pelos pais a motorista da família, a paratleta brinca: "só não me deixe faltar máquina de lavar e microondas". Belmonte Diário 

0 comentários:

Postar um comentário